sábado, 25 de maio de 2013

Poema - Tradução do poeta espanhol Pedro Sevylla de Juana


Le papillon blessé

                                                     Tradução: Pedro Sevylla

En la presente niebla
de las simetrías.
Cuando se sospechan punzantes
los pasos que reverberan certezas,
parece un capricho,
esa hilera de insignificancias
(la huella de la mariposa).

Por eso, el atrevido silencio
de ese cuerpo lánguido del hombre
ante nosotros
(el retorno a la condición humana es el recurso último
al que se entrega la mariposa en los momentos de
agonía).

Todos esos
que ocultan el rostro
en su  lecho
no se dan cuenta del fraude.

(En realidad,
el poeta no vive sin cuerpo.)

Son mariposas que permanecen
atrapadas en el color indefinido del tiempo.

Siempre quedará la cadencia de las alas,
deleitando con sus gestos
a quien, en lo absurdo de la vida
se sabe
                                              solo.


Le papillon blessé
  
Na atual névoa
das simetrías.
Quando se veem pungentes
os pasos que reverberan certezas,
parece um capricho,
essa fieira de insignificancias
(o rastro da borboleta)

Por isso, o silêncio resoluto
desse corpo flácido do homem
diante de nós
(o retorno à condição humana é o recurso último
ao qual se entrega a borboleta em momento de
agonia).

Esses tantos
que se debruçam
sobre seu  leito
não se apercebem da fraude.

(Na verdade,
o poeta não carece de existencia corpórea.)

São bobrboletas que persistem
suspensas na cor indistinta  do tempo.

Sempre restará o marolar das asas,
cortejando com seus signos
aquele que, no absurdo da vida
se aperceber
                                              só.



Jorge Elias Neto


6 comentários:

Dauri Batisti disse...

Passando por aqui, lendo sua colheita de bons poemas.

Lara Amaral disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lara Amaral disse...

Lindo poema!

Jorge Elias Neto disse...

Obrigado, Lara.

Revista Protexto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Revista Protexto disse...

Caro Jorge, bom dia. É um prazer ler teu belo poema, nesta tradução do meu amigo Pedro Sevylla de Juana, que escreveu uma crítica sobre a minha poesia (Remisson Aniceto, poeta a martillazos - http://www.letraefel.com/2013/05/remisson-aniceto-poeta-martillazos-por.html. Você já leu o último livro dele, Estela y Lázaro vertiginosamente, com prefácio da minha querida amiga Renata Bomfim? Se não, aconselho a ler, é uma novela de amor e reencontro intrigante, envolvente, encantadora como encantador é todo o trabalho literário do Pedro.
Tomei a liberdade de publicar o teu poema, com os devidos créditos, na minha revista PROTEXTO, para alegria dos nossos leitores. Espero esteja como você gosta. Um abraço do teu novo leitor Remisson Aniceto.
http://remisson.com.br/2014/09/29/poema-de-jorge-elias-neto-traducao-do-poeta-espanhol-pedro-sevylla-de-juana/