segunda-feira, 18 de abril de 2011

Uma carteira e seus sentidos

                        para as crianças - Realengo


Observe essa carteira vazia
– ociosa –
desocupada.
Entre na dimensão do absurdo
– no que se contorce –
e resvala,
e desperta,
e nos cala.


Observe essa carteira vazia
–ruidosa–
maculada.
Ventre da omissão confusa
– que nos paralisa –
e enoja,
e perpassa ,
e retalha.


Observe essa carteira vazia
– poderosa –
enfeitada.
Lembre da profusão do sangue
– que se dispersa –
e tinge,
e respinga,
e nos entala.


Observe essa carteira vazia
– fervorosa –
devotada.
Sente a celebração da loucura
– que consente –
e trucida,
e cega,
e nos abala.


Observe essa carteira vazia
– tenebrosa –
mal fadada.
Sente a emanação do ódio
– que se alastra –
e devora,
e abraça,
e nos transpassa.


Observe essa carteira vazia
– silenciosa –
abandonada.
Crente na devassidão do mundo
– que surpreende –
e ignora,
e reproduz,
e nos arrasa.


Observe essa carteira vazia
– deliciosa –
delicada.
Prenhe de ilusão confusa
– que consente –
e insinua,
e seduz,
e nos agarra.


Observe essa carteira vazia
– espaçosa –
desejada.
Crente na criação do sonho
– que compreende –
e ama,
e perdoa,
e nos concede a graça.

Jorge Elias Neto

4 comentários:

Hilton Valeriano disse...

Um grande poema. Assim é a arte autêntica que transfigura o trágico, o feio, para tentar e muitas vezes conseguir, manifestar o belo. Se há salvação para esse mundo maldito essa só pode advir da arte, da beleza...

MIRZE disse...

Jorge!

Seu poema me emocionou demais. Tranquilamente, mas com a serena força da plena consciência você passa a imagem da desordem social em que vivemos. E com um único apelo: Observe essa cadeira vazia.

EXCELENTE!

Parabéns!

Mirze

livia soares disse...

Caro Jorge,
passei por aqui para ver a quantas andava o blog; felizmente vc se mantém constante...
animados pelo labor da escrita,
prosseguiremos.
Um abraço.

Rita Santana disse...

Esse olhar para o momento é tão necessário ao fazer poético; às vezes fico congelada sem conseguir dizer. Você disse bonito, parabéns! Beijos!