quarta-feira, 8 de julho de 2015

A fábrica de nuvens


                                                         PONTA DE TUBARÃO

Roubaram-me a linha do infinito. Não posso mais ver o mar despencar no vazio, vejo apenas uma fábrica, um porto e os navios. Como é possível ser poeta sem o interminável? Mas dá-se um jeito – aprendi isso com o tempo.
E, nesse caso, bastou olhar, em um fim de tarde, para os lados do Tubarão e ver a chaminé da fábrica. Ela, de um fôlego inabalável, me disse: “Aquela nuvem que passa lá em cima sou eu”... Música antiga, caros saudosistas ... E eu olhei a nuvem. E tenho olhado desde então como ela compõe o céu de minha terra, como ela consegue, impassível a tudo e a todos, manchar de cinza até mesmo aqueles dias em que desvio dela o olhar maravilhado com o céu de brigadeiro onde não sopra o vento nordeste.
Em dias de chuva, de nuvens grossas e cinzentas, parece que, com o orgulho ferido, ela acrescenta  algo  mais à escuridão do dia.
E nas noites ... Ora amigos, olhem para a fábrica de nuvens durante a noite. Sob o tom que o céu assume devido às milhares de lâmpadas ligadas, ela se exibe como diante de holofotes, parecendo competir com a lua pelo protagonismo da noite.
Seria só isso se não fosse a meticulosidade da fábrica de nuvens. Pois ela também é discreta e, não fosse o artista Kleber Galveas mostrar, ano após ano, que a tela é o cinzeiro da pós-modernidade, nem os cidadãos que se pintam de preto na orla de Camburi, ela bem que tentaria passar ao menos um pouco despercebida.
Resolvi então copiar o inabalável artista da Barra do Jucu. Fiz um experimento.
Pintei de verde o cacto enegrecido de minha casa. Como o artista, usei as mãos – pois, em meu caso, a tela possuía espinhos.
Confesso que os poucos espinhos não me feriram mais do que minha mão enegrecida.
Mas, na minha soberba de homem, senti ter pintado de verde o cacto que persiste em minha varanda. Como fosse eu Tistou, o menino do dedo verde, a pintar de verde a superfície das plantas asfixiadas. Quisera ter o dedo azul para pintar o céu e um dedo-borracha para apagar de vez a cor cinza que paira, impune, sob o céu de minha Terra.

Jorge Elias Neto


Nenhum comentário: