quarta-feira, 9 de abril de 2008

Criação


Lavar a calçada,
no alvorecer do dia.
Espalhar os lápis de cera
e dizer ao teu filho:
– Cria asas!
Mas o pontilhado da história
é pragmático e se reapresenta retinto.
A falsa aleatoriedade do traço
traz o conteúdo da sombra.
O ignoto treme pela vida,
sob a dureza do concreto.


(Verdes versos)

6 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

belíssima criação.



.

Dauri Batisti disse...

É, na minha opinião, dos que li dos teus poemas, o mais bonito.

Mésmero disse...

Espero um convite quando lançares o livro.

(me auto convidei)

Jacinta disse...

E a criação se faz e se refaz enquanto a vida pulsa, nos caminhos que me parecem falsos.
Lindo poema.
Um abraço
Jacinta

Hanne Mendes disse...

Então já tem data marcada para o lançamento? Dia 25 mesmo?
Mais informações onde?

(chuva de perguntas)

Beijo.

Anônimo disse...

Lindo poema...