domingo, 2 de março de 2008

Beijo


Quero comer a tua boca,
para misturar nossas palavras.

Quem sabe assim,
com as frases embaralhadas,
voltemos a criar caminhos.


(Verdes Versos)

16 comentários:

Jacinta disse...

Ei Jorge,
criar caminhos é o que tento, todos os dias. Gosto de poemas assim, que dão o recado em poucas linhas.
E por falar em caminhos...
Que legal vc se lembrar da minha caminhada
É...
andar é muito bom, principalmente quando preciso organizar os pensamentos. Nem sempre consigo organizá-los, mas os olhos e o coração: ah! esses agradecem

Cris Caetano disse...

Nossa, é lindo... fiquei pensando que não deve existir forma melhor de fazer as pazes. A foto é especial, tem tudo a ver.

Beijos e obrigada por me avisar que havia aqui algo de tão bonito...

Cris Caetano disse...

Oi, voltei! Esqueci de te perguntar onde vai ser o lançamento do teu livro.

Dauri Batisti disse...

Admiro em você esse jeito de escrever poemas tão bonitos em tão poucos versos. Criar caminhos entre dois hálitos, dois corações, duas almas, dois corpos, nem sempre é facil. Ou, sempre é difícil. Brigas, discussões, divergências, pontos de vistas diferentes, frases embaralhadas podem sim criar caminhos. Bonita a forma poética de sintetizar isso, pelo menos no meu modo de entender-interpretar.

Jorge Elias disse...

Oi Cris,

O lançamento será, provavelmente, na aliança francesa.
Assim que eu tiver tudo "azeitado" eu vou anunciar no Blog.


Abraços,
Jorge

Jorge Elias disse...

Dauri,

Dentre os vários processos de criação, o dos poemas curtos, sintéticos, é talvez o que mais me emociona.
É como aquele poema que eu postei sobre o estalo da palavra.
Ele chega quase completo.
Estou começando a chamá-lo de poema de aluvião (palavras colhidas a flor da terra).

Abraços,

Jorge

Maria disse...

Olha que é bem possível.....

ivone disse...

quero provar o sabor da tua boca

deixas_me?

Oliver Pickwick disse...

Antropofágico e genial! Seus versos são verdadeiros, só os fracos desistem da construção de novos caminhos.
É, prezado JEN, cada vez mais acredito de fato que és do tipo de poeta que não tem cisma de beijar o diabo na boca. E que o Santo Ofício não nos ouça!
Abraços, e dias felizes!

Educadora em Direitos Humanos disse...

Jorge:teu poema "Beijo" é demais. Continue assim, criando caminhos. Obrigada, mais uma vez, pela visita ao meu Blog. É bom ter você por perto. Bjoabraçares, Graça Graúna

Jorge Elias disse...

MARIA


Assim espero...

IVONE

Por isso estou aqui.


GRANDE OLIVER

Se o tribunal do Santo Oficio tentar me queimar nas fogueiras, eu me transmuto em nuvens...


GRAÇA

Sua opinião é de grande valor para mim.

Obrigado a todos.


Jorge Elias

Hanne Mendes disse...

Nossa!
Gostei demais, mesmo.
O que mais pode-se esperar da mistura de bocas, palavras e caminhos? Isto é a vida, vida no seu AMPLO sentido literal. O resto...

PS: Belíssima foto.

Gi disse...

Palavras doces estas Jorge. Como recusar a partilha? O Desafio?

Um beijo. Doce também, como se impõe :)

Resto de um bom Domingo

Opuntia disse...

Beijar bocas p/ misturar as palavras...gostei disso!

Então, beijos.

Héber Sales disse...

promessa cumprida, meu caro.
encontrei aqui o tal poema,
e breve, como eu gosto.
um abraço.

isabel mendes ferreira disse...

do beijo "autofágico?".


eu gostei.



muito.
_____________.



abraço.