quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Cumuruxatiba



Face à la mer



Parto para cruzar o Atlântico.
Asas de metal me levam com os meus sonhos.
Duas libélulas enamoradas,
em seu vôo de cópula,
ensaiam um ménage à trois
com as asas do pássaro metálico.


De nada adianta pisar as nuvens,
pois me foge a cauda do Sol,
que dobra em definitivo a esquina do Ocidente.
De resto,
só o sono,
fuga reconciliatória do ser imperfeito.

Despistamos o Sol!
Ah! Ele desprezou os meus anos de “pique-pega”...
Foi só correr para o Oriente, e pronto...
Mas o espanto foi só meu,
porque ele passou alheio
às regras de meu jogo.

Segue o dia,
e as águas mediterrâneas
azulam meu eu verde.

Grãos de areia, fundidos em pedras,
com a liga secular do sangue humano,
como que a dizer:
– Não divague, homem,
esqueça o manto das ondas
que disfarçam os naufrágios.

(Verdes Versos)

9 comentários:

Miguel Marvilla disse...

Ei, Jorge. Que imagem fantástica essa do ménage à trois das libélulas com o avião! É como te disse outro dia: vc está construindo (rapidamente, mas isso não surpreende quem te conhece) um caminho próprio na poesia contemporânea. Ter o que dizer vc tem — e diz — há muito tempo. A forma, a lingugem, é que vc está burilando agora — e muito bem.

Parabéns pelo blog. Se meu coração der piripaque uma hora dessas, vou me consultar com vc. Se cuida dos seus clientes com o zelo com que cuida da sua poesia, não sei quem é melhor, o médico ou o poeta. Na verdade, nem sei se dá para dissociar os dois.

Lara disse...

DR. Jorge Elias,
Muito legal as suas poesias essa principalmente.
Quando você publicar o seu livro
me avisa para eu comprar
Um abraço de sua paciente Priscilla Pires

Jorge Elias disse...

Olá, Miguel.
Fico feliz que tenha gostado do poema.
Pedra bruta é assim, tem que lapidar para ver se sai algo.
Estimulo de um artesão com a sua competência é de grande valia.

Jorge Elias disse...

Iara, seja bem vinda.
É bom podermos falar sobre o belo; deixar um pouco de lado a doença.
Leia sempre e muito.
E lembre-se de voltar sempre...

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Olá Jorge
Não sei por que "mãos" vc chegou até meu blog... mas foram mãos abençoadas, pois trouxeram-me você e sua poesia. Estou adorando!
Não tenho a erudição do Miguel para tecer comentários técnicos, tenho apenas a erudição do coração, que me sussurra para eu experimentar mergular os pés na lua... está tão difícil mantê-los aqui!
Que este seja apenas nosso primeiro contato.
com carinho

Gabriel disse...

Belos versos Jorge!
Poesia de primeira. Já está adicionado aos favoritos!
Ah... ótimas fotos também. =) www.fotolog.com/gabrielpt (visite)

Gabriel

Jorge Elias disse...

Kátia, seja bem vinda!
Encontrei seu Blog no Poetas Capixabas (bela trabalho da Sra. Thelma).
Fico feliz que tenha gostado.
Para nos manter-mos eretos sobre esta linha invisível da vida devemos sim mergular nossos pés na lua...
Até breve!

Miguel disse...

Caro amigo Jorge, Adorei teu blog , mais ainda a visita que você fez para Cumuruxatiba com Fabiana e tuas filhas. Para mim é um prazer enorme receber voces e a alegria que que vem junto. Um beijo para todos Miguel