quinta-feira, 5 de abril de 2012

POEMA COMO PRECE ANTI-TERROR

                                    Antônio Adriano Medeiros
A cada manhã
O Poeta nosso está no céu.
Iluminado é seu nobre canto
que vem a nós. Como um espelho
imitemos sua bondade
aqui na Terra: cedo, com fel,
o Cão nosso de cada dia seja morto!
Protejamos todas as crianças
assim como nós protegemos
os nossos filhos queridos.
Jamais caiamos na vil tentação
que nos leva aos maus homens
que saem executando inocentes nas ruas
ou se auto-imolando em vis explosões
que matam a Poesia e transformam o dia
num triste poema com as vísceras de fora.

Antônio Adriano de Medeiros nasci em Santa Luzia, na Paraíba. Sou médico, formado em João Pessoa, com especialização em Psiquiatria, no Rio de Janeiro. Obras publicadas o "Soneto Para O Diabo", na revista holandesa Sur, em 1995; os "7 Sonetos de Um Amor Muito Safado", na Antologia Eros, Ed. Poesia Diária, 1999, participou de três Antologias de Escritas:- 1, 2, e 4.
Publicoui em 2000 o livro "Zoológico Fantástico", Ed. Papel Virtual, revisado e no prelo para nova edição.

Um comentário:

Hilton Valeriano disse...

Belo poema! É bom saber que autênticos poetas estejam escrevendo e não se perdendo nos labirintos da linguagem.